Archive for the ‘Cultura’ Category

Mídia Corporal

10/09/2010

Foto: AFP/Google

O recente (re)aparecimento de Larissa Riquelme com a marca Axe estampada no peito fez surgir (novamente) a questão do aluguel do corpo como espaço publicitário. As iniciativas pelo mundo a fora parecem ter se dado principalmente a margem dos grandes anunciantes. É o caso do portal de serviços Lease your Body (Alugue seu corpo), que tem o fim de fornecer contato entre anunciantes e potenciais promotores corporais.

Vejo que o interessante aqui não é discutir os limites éticos ou morais do espaço publicitário e sim a expressão de um conteúdo que se liga a marca através do corpo. Nisto a dissertação de mestrado de Andrei Schiner, Marcado na Pele: Consumo, tatuagem e corpo. Um estudo sobre as representações do consumo através de tatuagens de marcas de produtos é elucidadora, pois o autor demonstra vários casos e motivações que envolvem a tatuagem como anuncio.

Restringindo a discussão (que parece estar apenas começando) para a questão da marca, faz com que o assunto fique muito pautado na questão da inserção de uma referência a ela ou mesmo a tatuagem da logomarca como anuncio. Acredito que a questão não precisa passar apenas por esse caminho.

Ao fazer uma tatuagem o individuo pode querer expressar algo presente em seu estilo de vida, no seu universo de valores, símbolos e atitudes. Por isso, vemos alguns exemplos interessantes de tatuagens espontâneas como é o caso da Harley-Davison, que segundo um dos entrevistados por Schiner: “A Harley-Davinson é um estilo de vida. A pessoa não está tatuando a marca está tatuando o estilo de vida”. Ou seja, é como dizer: a logomarca não é a marca e marca não é só um nome do produto. Ela vai além do produto e toca dimensões imateriais que cria vínculos entre um conteúdo expresso, o indivíduo e um coletivo.

Desta maneira, acredito que um alguém possa fazer uma tatuagem que expresse um conteúdo da marca sem necessariamente tatuar a logomarca. Pode por exemplo tatuar um símbolo associado, algo que esteja relacionado com a sua história pessoal e comungar ao mesmo tempo com o lifestyle marca.

Enxergo que estas questões dão pano para manga (já que esse é um blog também de moda estamos no lugar certo, não é?) e se encontram por possuírem novas paradigmas do consumo na atualidade.

Leia o resumo da dissertação: Marcado na Pele: Consumo, tatuagem e corpo.

Veja os slides.

Confira também – “Sentidos: armas para conectar clientes”. 

Jonas Fernandes

Pesquisa IBModa

Anúncios

Exposição 5o Seminário Internacional Comportamento e Consumo

07/09/2010

Realizada durante o 5o Seminário Internacional de Comportamento e Consumo, promovido pelo SENAI-CETIQT em parceria com a Future Concept Lab, a exposição mostrou o universo do tema do Seminário e dos entrevistados. O painel principal fi composto por uma instalação, que apresentava os principais objetos do dia-a-dia das pessoas, e por frases sobre a felicidade e o consumo. Veja os detalhes a seguir:

O outro painel apresentado durante a exposição apresentou o universo dos entrevistados, que preencheram o “Diário da Felicidade”, com frases e objetos deles, que recriaram o seu iniverso. Esse painel foi denominado de Painel Hapiness Brasil.

Mesmo que nesse blog, assim como na maioria dos veículos de comunicação, não seja usual fazer menções explícitas aos patrocinadores, não se pode deixar de citar o senso de adaptação e oportunidade demonstrados pela Coca Cola, que brindou os participantes  com um kit especialmente preparado  para o evento:

A equipe da Antennaweb / Alemdamoda cobriu o evento a convite da Organização.
Todas as fotos: André Robic

Tecendo uma moda verde

03/09/2010
Foto: Eileen Costa/Reprodução/FIT

 

Os dilemas sócio-ambientais que enfrentamos atualmente nos levam a refletir sobre o nosso estilo de vida e nossos hábitos. Essas questões emergem como um contraponto dentro da sociedade de consumo, pois vivemos em uma época posterior à explosão de consumo que se deu no contexto pós-segunda guerra mundial, a partir de 1950.

Diferentes óticas sobre a sociedade de consumo, trazem à tona posicionamentos mais extremos, tanto favoráveis como contrários a este modelo socioeconômico, num constante paradoxo: se houver uma desaceleração do consumo, a economia mundial e corre sério risco de recessão, o que seria devastador no âmbito social. No entanto, se o consumo aumentar infinitamente, o meio ambiente poderá se degradar e ameaçar as condições de saúde e vida da população. Portanto a questão que emerge é: como equilibrar essas as instâncias da economia e do meio ambiente? Ou seja, como gerar uma economia sustentável?

 No caso específico da indústria do vestuário e da moda, a questão sobre o consumo não se concentra apenas na compra, mas recai sobre todo o seu ciclo, desde o plantio das matérias primas até o desuso do produto, numa cadeia produtiva que gera um impacto depreciativo ao meio ambiente. Para abordar a questão sobre sustentabilidade na moda, o Museu do Fashion Institute of Technology (FIT), de Nova York, montou a mostra Eco Fashion – Going Green.

 Na exposição estão presentes peças compostas a partir de técnicas sustentáveis que consideram o impacto social e ambiental de todas as etapas do processo produtivo. São tanto técnicas de produção dos tecidos, como o tingimento natural utilizando-se de tintas não tóxicas, quanto, técnicas de criação como a construção de novas peças por meio do reaproveitamento de outras peças já prontas onde, de forma análoga à bricolagem, os estilistas desconstroem uma peça para compor novas criações.

 A exposição demonstra também uma reflexão sobre o ciclo produtivo da moda, onde é marcante a criação do brasileiro Carlos Miele: um vestido longo de seda, com fuxicos feitos pelas mulheres que participam da Cooperativa de Trabalho Artesanal de Costura da Rocinha. Ao utilizar o trabalho de um empreendimento voltado para a transformação da realidade social de mulheres da periferia do Rio de Janeiro a peça de Miele evoca uma reflexão sobre como viabilizar a produção de vestuário, incentivando iniciativas voltadas para fins sociais.

A Eco Fashion – Going Green mostra como a moda permeia um amplo espectro de agentes sociais e o quanto pensá-la de forma sustentável pode impactar positivamente nossos problemas ecológicos e sociais. A mostra estará em cartaz no Fashion and Textile History Gallery Museum do Fashion Institure of Technology, em Nova York, até o dia 13 de novembro, com entrada franca.

Leia o artigo completo: Eco Fashion – Going Green

Visite a Coopa-Roca: Coopa-Roca

Visite o FIT: www.fitnyc.edu

Visite o museu do FIT: www.fitnyc.edu/museu

A participação das marcas na internet

27/08/2010

 

Muito inspiradora a Palestra de João Mougon e Carla Mayumi, sócios-diretores da Box 1824: A participação das marcas na internet: Tendências e Insight’s,  realizada ontem no Fórum de Branding da ABA (Associação Brasileira de Anunciantes).

 

A palestra apresentou a utilização da internet pelas marcas como ferramenta que vai além de marcar presença em uma “nova mídia”, mas também como forma de participar da rede, interagir com os grupos e indivíduos e transmitir os seus valores, conteúdos e propostas – a sua personalidade. Tema que foi bem recebido no ABA Branding, que apresentou e discutiu a utilização das técnicas e as ferramentas mais avançadas de Branding, para o qual contribuíram renomados profissionais das mais diversas especialidades.

 

A Box 1824 vem se destacando por seus empreendimentos em pesquisa e rastreamento de tendências, realizada através de metodologias heterodoxas e inovadoras. O objetivo da contribuição de João Mougon e Carla Mayumi, sócios-diretores da empresa, foi, portanto, oferecer uma abordagem que propiciasse o entendimento da marca a partir da cultura e da análise do consumidor enquanto pessoa. Para isso, eles mobilizaram diversos conceitos de múltiplas disciplinas, procurando demonstrar os principais desdobramentos dos comportamentos presentes e diferentes perspectivas para apreendê-los.

 

A atenção dos palestrantes estava voltada para traduzir o sentimento e aportar tendências a partir dos modos da geração deste milênio, denominada por eles como Millennials, que é contemporânea aos avanços da internet e das redes sociais. Esses jovens de varias idades nasceram e cresceram junto com ela, a tem não como uma mídia e sim como um modo de pensar e agir.   

 

Para os Millennials, não há diferença entre o real e o virtual, a internet é uma entre outras faces que compõem uma realidade multifacetada. Como expressa de maneira emblemática o depoimento de um millennial entrevistado: “O google maps não é internet, é um mapa”.

 

O desenvolvimento destes jovens  acompanha também a evolução do comportamento da internet, que pode ser dividido entre três momentos: 1) Read (Ler, receber) 2) White (escrever, produzir) e 3) Act (agir, fazer). Ou seja, a internet passou de um primeiro momento de recepção de informações a um segundo de produção dos usuários e no momento se desdobra para contribuir e influenciar os indivíduos na tomada de ações.

 

Ao percebermos o desenvolvimento da internet, vislumbramos as mudanças significativas que estão para acontecer dentro dos próximos anos, nesse sentido, a proposta apresentada pela Box 1824 é inspiradora, para que nós possamos criar, pensar a agir segundo uma nova e sempre desafiadora realidade que apresenta o futuro no instante seguinte.

 

Jonas Fernandes

Pesquisa IBModa

Revista Zupi: criatividade à flor da pele!

02/06/2010

A revista Zupi explora de modo bastante irreverente a relação entre a barba e a sabedoria, com um vídeo que viaja pela história da arte, mostrando diversos gênios barbudos e buscando comprovar (ou não) a teoria popular de que homens que ostentam pelos faciais são, de fato, mais inteligentes. O vídeo concorrerá no Cannes Lions International Advertising, que terá sua edição 57 iniciada no dia 20 de junho,  na categoria Film Craft, na subcategoria Copywriting

Assista ao vídeo:
http://www.zupi.com.br/index.php/site_zupi/view/we_are_going_to_cannes

Revista Zupi:
http://www.zupi.com.br

da assessoria de imprensa

Moda, arte e literatura

19/04/2010

Olá leitores!

Recebemos uma dica cultural muito interessante: uma peça que acontece em uma praça e reúne em sua trama uma homenagem a Flávio de Carvalho, atualmente com exposição retrospectiva no MAM-SP.

A peça faz parte do  projeto Peça na Praça. Traz figurino inspirado e cenografia inusitada, em frente ao monumento assinado por Flávio de Carvalho que homenageia o escritor e poeta espanhol Garcia Lorca. O Projeto é fruto de escolha coletiva dos integrantes da Companhia do Hotel Green Garden, e a decisão de encenar na Praça das Guianas foi motivada por nela estar abrigado o monumento criado pelo arquiteto e escultor Flávio de Carvalho em homenagem a Lorca. A cerimônia de inauguração, realizada em 1968, contou com a presença do poeta chileno Pablo Neruda, que fez um caloroso discurso elogiando o amigo Garcia Lorca e o autor da escultura.

O grupo fará a leitura do manifesto “Para que os jardins sejam vida, e as praças permaneçam como símbolo  de prosperidade“. A série Poemas de Nova Iorque, escrita em 1929 pelo poeta espanhol Federico Garcia Lorca, serviu de base para a concepção deste espetáculo, uma coletânea de representações simbólicas, composta de sete poemas.

A escultura se encontra hoje deteriorada e sem conservação.  “Queremos despertar o interesse das autoridades e dos cidadãos para a conservação do patrimônio histórico da cidade”, diz o diretor Ivan Feijó. Ao fim da peça, o público é convidado a assinar um manifesto pela recuperação do monumento.

Serviço:

Os Cantos do Hotel

Direção – Ivan Feijó

Companhia Hotel Green Garden

Temporada até dia 25 de abril

Sábados     20h

Domingos  19h

Duração: 50 minutos

Indicação de faixa etária – 16 anos

Praça das Guianas – Jardim Paulista

(Altura do nº 3952 da Av. Nove de Julho)

Grátis

Equipe IBModa

Artsy#4 – Giro Cultural

13/04/2010

O mundo da arte contemporânea anda agitado na cidade de São Paulo. Para os fashionistas a cidade está cheia de exposições que trazem uma relação bem bacana de arte e moda, mesmo que nas entrelinhas.

Primeiro é interessante falar da grande retrospectiva do artista Andy Warhol que a Estação Pinacoteca está abrigando. Não precisamos nem comentar a relação do artista com a moda, tanto como produtor de imagens como pensador do mundo contemporâneo. Andy é tão presente em nossas vidas que já se tornou inerente principalmente como referencia para a moda e para o design.

Desde as centenas de serigrafias do artista, quanto os seus vídeos da série Screen Tests e os belíssimos filmes de arte produzidos por ele tudo respira comportamento, seja de forma crítica ou reverenciada. A exposição é uma imersão na mente do artista que mais do que ninguém questionou o consumo, assunto tão presente na atualidade.

Outra dica muito interessante é a exposição retrospectiva do artista brasileiro Hélio Oiticica, que está em cartaz no Instituto Itaú Cultural. Hélio se tornou um ícone na arte contemporânea brasileira e é interessante perceber a influência dele em nossa cultura contemporânea nas diversas áreas da criação. O próprio Hélio já serviu muito de referência para o pessoal da Moda principalmente por sua obra “Parangolé” na qual a matéria têxtil é o vértice. A Moda já flertou muito com Oiticica, tanto que pesquisadores da área como a artista visual Suzy Okamoto e o estilista Ronaldo Fraga, entre outros, já pesquisaram e o utilizaram em diversas criações.

Para Hélio Oiticica a questão da indumentária era muito importante em suas obras, tanto nas performances quanto em suas instalações.

E duas outras ótimas dicas de exposição são a retrospectiva da estilista Diane von Furstenberg que acontece no Shopping Iguatemi e a retrospectiva do artista multimídia Flávio de Carvalho que abre esta semana no MAM.

A estilista Diane von Furstenberg revolucionou a moda feminina e a questão do gênero dialogando estreitamente com a arte contemporânea. Já Flávio de Carvalho teve uma relação estreita com a Moda, pois além de muitas outras coisas foi figurinista e cenógrafo. O artista fez a antológica performance/happening Experiência  nº 03 com o próprio artista usando saia pelas ruas de São Paulo em uma época na qual uma ação como esta era considerada tabu. O interessante é que ele intitulou o traje de “Traje Tropical”.

Enfim, Sampa está borbulhando e para quem procura inspiração a cidade está cheia de exposições de grandes criadores que dialogam a arte com outras áreas do conhecimento.

Equipe IBModa

A serpente, a maçã e o holograma

05/04/2010

(clique na imagem para ampliar)

Olá a todos!

É com grande prazer que divulgamos o novo livro do pesquisador Norval Baitello Junior que é sempre uma grande fonte de pesquisa para o IBModa.

Seu novo livro “A serpente, a maçã e o holograma- Esboços para uma Teoria da Mídia” já está nas lojas e atualmente está sendo editado pela editora PAULUS.

O livro aborda alguns cenários reflexivos e críticos sobre o assunto, o autor apresenta artigos que dialogam com os estudiosos Vilém Flusser, Harry Pross e Aby Warburg, precursores ou propositores de uma teoria das imagens mediáticas. “Em torno desses autores gira a temática do livro, esboçando elementos para uma Teoria da Mídia como tentativa de ler em profundidade, muito além das superfícies e muito além do imediatismo apressado como imperativo inevitável da mídia, mas que acaba contaminando também os seus estudos”, explica o autor.

As abordagens presentes neste trabalho estão todas associadas a novas constelações conceituais, conduzindo o leitor a um estudo minucioso e a uma ampliação do seu horizonte de compreensão, sem tratar de forma repetitiva ou insistente os ideais dos pensadores citados acima, discutidos em inúmeros ensaios. Além disso, no decorrer das páginas, é possível encontrar ilustrações e fotografias, elementos que ajudam na construção de uma leitura ainda mais crítica.

O título, curioso e instigante, também enriquece a proposta inovadora da obra, pois relaciona a cena do pecado original, que determinou os destinos do mundo judaico-cristão, com o tema da desmaterialização dos suportes midiáticos.

A serpente, a maçã e o holograma – Esboços para uma Teoria da Mídia é mais um lançamento da coleção Comunicação, que reúne mais de 30 títulos e autores de reconhecimento internacional, como Ciro Marcondes Filho, Lucia Santaella, Eugênio Trivinho, entre outros.

Norval Baitello Junior é doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade Livre de Berlim. É professor na Pós-Graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, tendo sido diretor da Faculdade de Comunicação e Filosofia, onde criou os cursos de Comunicação e Artes do Corpo e Comunicação em Multimeios. Fundou, em 1992, o Centro Interdisciplinar de Pesquisas em Semiótica da Cultura e da Mídia (CISC), atuante em inúmeros eventos e projetos de pesquisa em Comunicação e Cultura. É pesquisador do CNPq e foi professor convidado das Universidades de Sevilha, Viena, São Petersburgo e Autônoma de Barcelona.

Para saber mais sobre suas pesquisas e trabalhos na área de comunicação leia a entrevista que o IBModa realizou com ele na edição nº 3 de nossa revista digital AntennaWeb. Aqui segue o link: http://www.antennaweb.com.br/edicao3/entrevista/index.htm

Bruno Mendonça – IBModa

IBModa apoia o evento NOVO – Expressão de Moda

08/03/2010

(clique na imagem para aumentar)

O IBModa está apoiando o projeto/exposição NOVO – Expressão de Moda.  Abaixo segue o release falando sobre o evento.

O NOVO – Expressão de Moda surge a partir da reflexão de jovens estilistas sobre a relação entre moda, arte, mercado e Brasil. Há mais de dois séculos arte e moda tomaram caminhos divergentes, e há quase tanto tempo buscam criar e recriar um diálogo, influenciando-se mutuamente. Nas últimas décadas, a moda ocupou museus e, nos últimos anos, grandes marcas buscaram a colaboração de artistas para coleções, festas e vitrines, no frenético clima de celebração que marcou a era anterior à explosão da bolha financeira. Do lado das artes, estilistas foram convidados a assinar curadorias e a criar obras, legitimando um novo status. De artista? Moda e arte têm objetivos e sistemas de produção diferentes, mas há entre essas disciplinas um inegável fluxo de trocas – de informações e aspirações. É possível que, ao se intensificarem e, em alguns casos, seguirem livres das regras do mercado, criem finalmente o que sugerem os debates, a exposição e o próprio título desta mostra: o “NOVO – Expressão da Moda”.
São 45 expositores apresentados em 35 obras!
Espaço AEIOU, Rua Fidalga 548 – Vila Madalena.
Exposição: de 12 à 24 de Março, das 10h00 às 18h00.
PATROCINIO: Havaianas
APOIO INSTITUCIONAL: ABEST e IBModa
Contato:
E-mail: novo.expressao@gmail.com
Blog: novodonovo.wordpress.com

Em Obras!

02/03/2010

Gente!

Dica de exposição super legal que começa a rolar esta semana aqui na cidade de São Paulo. A exposição Em Obras é uma iniciativa super inovadora e que apresenta uma nova proposta de se expor desenho…

Vários amigos e conhecidos meus estão participando da mostra e eu não poderia deixar de divulgar! Para saber mais sobre a exposição entre no site: http://www.em-obras.com/

E aqui em anexo segue também uma matéria muito boa feita pelo Jornal Estado de São Paulo sobre a exposição! (Para ler a matéria é só clicar na imagem)

Bom é isso e não deixem de ir!

Abs.

Bruno Mendonça – IBModa